dia 4 de maio de 2011 ……… #3 no estúdio


postado em por mallu


Já chega o terceiro dia de El Rocha. Passa rapidinho, como tudo que é bom.

disco Vico TurcocelloEntramos num ótimo ritmo de trabalho. De manhã, gravamos umas melodias que Victor fez no cello, e uns acordes que eu toquei no piano. À tarde, Marcelo procurou ( e achou ) o que faltava de bateria. Depois, ainda tocou glockspiel   clarone.

Eu acabei colocando as idéias de escaleta que eu queria. O timbre plugado dessa minha Hammond é realmente lindo.

Deixamos Lonely descansar um pouco e partimos para decidir o mapa, andamento e tom de ” Pode falar / Velha e louca” (ainda não decidi o nome). Marcelo, então, fez a base na Danelectro (guitarra), porque eu tocando tava meio feio, devo admitir!

Agora, o grande momento do dia foi Victor e Marcelo daçando na sala de gravação. Por sorte a câmera tinha bateria, o resultado é digno de clipe.

dia 2 de maio de 2011 ……… #1 no estúdio


postado em por mallu


aqui vou eu
aqui vou eu

.                Começamos às 10h. A montagem foi rápida e pudemos começar a gravar a base de Lonely, na minha viola caipira xodó. Apesar de eu provavelmente ainda dizer isso em toda música que gravarmos, acho que Lonely é minha favorita.

.                A viola é um desafio bonito. Difícil de afinar, difícil de tocar afinada. Mas vale a pena.

.                Tenho anotado tudo, fotografado tudo. Afinal, minha memória não cansa de me decepcionar.

Mallu na viola caipira

Lonely

.

Lonely, no you’ll never be lonely again

because now you have me

I’m messy but I’m totally yours

my clumsy hands will hold you

no you’ll never be lonely again

’cause you have me.

.

Teardrops and ink drops

falling in the neat floor

forget all this, let’s paint our feet

.

Dream drops and fear drops

Raining on our door,

Let’s lock it, and let it go …

. And I , I’ll give my best to you

You cry I dry your pain

You smile I smile   também !

Hoje eu tinha que voltar


postado em por mallu


Hoje eu não podia deixar de escrever. Hoje eu tinha que voltar, porque hoje é o aniversário daquele com quem me identifico inteira e intensamente, o meu favorito, o meu preferido, de quem gosto tanto que parece até que o conheci ou que, de algum jeito estranho, ele me conheceu.

Quando vi o primeiro quadro de Leonilson não podia acreditar que havia outro alguém que bordava como eu, com o coração, com palavras, frases, desenhos, medos, vontades, choro, amor… Na verdade, ele que não acreditaria ao ver meus ensaios de obrinhas em aquarela e linha, acho que ele pensaria que eu o estava copiando.

Seja como for, quanto mais me aprofundo na obra de Leonilson, mais livre, mas corajosa eu fico.

Minha identificação com ele me fez quem sou hoje, me provou vivo e real o que eu acreditava, me mostrou clara, óbvia e sinceramente que o torto é sim, lindo. E hoje eu levanto essa bandeira, bordada, pintada, com fé no meu âmago criativo e no meu coração estranho.

Tenho muito o que agradecer a Leonilson e, hoje, queria poder lhe dar um lindo presente de aniversário, um caderninho feito por mim, quem sabe.

Quem sabe o meu carinho eterno e incondicional já lh’é presente grande.

Eu podia (eu devia?) ficar escrevendo aqui as milhões de experiências que passei desde esse encontro com meu grande ídolo.

D’algum jeito estranho, parece que falo de um amigo meu, com quem vivi tantos momentos que reverberaram tanta arte, música, e transcendência ( em todos os pontos de corpo, alma e mente).

Quem sabe um dia, com calma, eu escreva tudo.

Por horas, dias.

meses, sei lá.

vai saber.

O que importa é que hoje é o aniversário dele.

parabéns, Leonilson, feliz aniversário.

LINKS PARA INTERESSADOS

http://www.projetoleonilson.com.br/leonilson.php

http://www2.uol.com.br/leonilson/

http://books.google.com.br/books?id=Fh-KRv4HwUEC&printsec=frontcover&dq=LEONILSON&source=bl&ots=bI46JRpvUI&sig=HuxMDI7iyZGYZtj1gIUngdrdMSw&hl=pt-BR&ei=juZsTan4BsLytgfAzPTCBQ&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=17&ved=0CFcQ6AEwEA#v=onepage&q&f=false



bordado


postado em por mallu


tô quase terminando

um bordado.

tô quase virando o tecido

furado.